São José da Ventania, Minas Gerais

domingo, 31 de outubro de 2010

POLÍTICA – ELEIÇÕES 2010 – COMENTÁRIO

J...

31 de outubro de 2010. Dia de eleição presidencial aqui na Tanzânia também. E ontem recebi uma mensagem, via telefone celular, pedindo voto. Adivinha de quem!? JK! Isso mesmo: JK, mas o JK daqui (ou, nesse caso, o JK daki): Jakaya Kikwete.


“Mimi Jakaya M. Kikwete. Nakutumia meseji (‘meseji’ – ah, isso eu entendi) kukuomba kura yako kesho. Katika miaka mitano iliyopita, Umenipa heshima Kubwa ya kuwa Rais wa nchi yetu. Nakuomba unipe tena heshima hiyo ili niendelee kukutumikia na kulitumikia (‘kukutumikia na kulitumikia’ – gostei, mas não entendi um ‘a’, ou melhor, um ‘k’, mas tudo bem, ‘ok...u(ku,li)tumikia, kontinue’) taifa na watu wake.”

No que se refere a essa mensagem, fez tanto não sentido pra mim como as palavras da Dilma.

Sou J Sim, mas JS!


/-\|\||)/-\|_/-\(,)|_|||\/| ANDRÉ



__________

fotos
31 de outubro de 2010
África, Tanzânia, região Kilimanjaro, distrito Moshi Mjini, cidade Moshi, bairro Majengo
© andandaz®

foto-montagem
1 de maio de 2011
© andandaz®


¤

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

POLÍTICA – ELEIÇÕES 2010 – COMENTÁRIO

“Não sei se tu pensa. Pra que tu vota?”

Alguém que vota em Tiririca (e o pior: o elege e faz dele o deputado federal mais votado de todo esse pleito), na hora de votar, só podia estar pensando que o botão da urna era o seu. E assim foi feito: enfiou o dedo no/na fiofórentina.


/-\|\||)/-\|_/-\(,)|_|||\/| ANDRÉ

terça-feira, 7 de setembro de 2010

POLÍTICA - ELEIÇÕES 2010 - OPINIÃO

Independência ou Morte

sete de setembro em três de outubro:

tornemo-nos independentes dessa quaDrILh(M)A
in = não
não dePendenTes


/-\|\||)/-\|_/-\(,)|_|||\/| ANDRÉ

POLÍTICA - ELEIÇÕES 2010 - OPINIÃO

JS…

Juntos Somos +! José Serra 45!

JS + 45


/-\|\||)/-\|_/-\(,)|_|||\/| ANDRÉ

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

A ROUPA QUE VESTE A FÉ E A FÉ QUE VESTE ROUPA

Orai e v...esti

Em época de eleição, com a publicação em massa de pesquisas eleitorais, passou despercebido o resultado de um amplo levantamento envolvendo todos os municípios brasileiros e diversos assuntos. O Instituto Nacional de Múltiplos Assuntos Contemporâneos – INMAC – trabalhou durante 5 anos, 2 meses, 4 dias, 3 horas, 17 minutos e 8 segundos numa pesquisa pioneira sobre temas atuais, cujos resultados foram divulgados na última quinta-feira, 12 de agosto de 2010, às 14 horas, 2 minutos e 32 segundos no auditório-anfiteatro da referida instituição, à Rua Desembargador Felício José Alcântara, número 212, no bairro Tertúlia, na cidade do Rio de Janeiro, no estado de mesmo nome. O detalhamento dessas informações é uma alusão ao detalhamento das informações contidas na citada pesquisa, batizada de A Face-Fase Contemporânea do Brasil.
Mas para o presidente do INMAC, Fernando Cavalcante Silva Abreu, foi um descaso, por parte da mídia, o tratamento dado aos resultados dessa pesquisa. “Havia apenas um veículo de comunicação na divulgação.”, lamenta ele. Questionado se o momento escolhido para a divulgação não foi o mais apropriado, em razão de a mídia estar com quase toda a sua atenção voltada para a eleição, ele esclarece: “É justamente agora o momento mais adequado, o momento mais oportuno, o momento ideal para levarmos ao público essas informações, sendo elas fontes importantes e idôneas para auxiliar nessa importante tomada de decisão que é o processo eleitoral.”.
E o único meio de comunicação presente surpreendeu-se ao ver a sua cidade, Paraisópolis, no topo de duas listas. Paraisópolis é primeiro lugar na expansão do número de igrejas evangélicas e lojas de roupas. Segundo a pesquisa, em Paraisópolis, a quantidade de estabelecimentos desses dois segmentos do mercado é quase um de cada por calçada, já que o levantamento também contou o número de calçadas de cada município. Caio Conceição Damásio, um dos titulares do estudo, comenta: “Se em Paraisópolis você vê um imóvel em reforma ou em construção, 90% é a chance de ser uma loja de roupas ou uma igreja evangélica.”.
Indagado sobre a existência ou não de uma relação entre essas duas situações, Caio elucida: “Pra mim, é muito clara essa conexão. É um ciclo vicioso. As pessoas fazem contas demais nas lojas e procuram as igrejas. Mas, para serem bem aceitas pela comunidade dessas igrejas, elas precisam estar bem vestidas. Dessa forma, está gerado o ciclo.”.
E ele conclui, saindo da sua postura séria: “Paraisópolis não pode deixar esses dois títulos passarem em branco, assim como a mídia, com a exceção desse jornal, deixou passar em branco essa pesquisa. Essas duas medalhas de ouro têm que ser comemoradas. E eu sugiro um evento que celebre, simultaneamente, esses dois títulos, essas duas medalhas de ouro; eu sugiro a Paraisópolis Féshion Week.”.


/-\|\||)/-\|_/-\(,)|_|||\/| ANDRÉ

POLÍTICA – ELEIÇÕES 2010 – COMENTÁRIO

Engano

Vi na TV Globo uma imagem que me chamou a atenção, me causando preocupação: uma senhora com cabelo pOmpOsO e um senhor com face e-s-t-i-c-a-d-a.
Logo me perguntei: “O que fazem Hebe Camargo e Sílvio Santos ali, na Globo?”.
Logo pensei: “Algo ruim deve ter acontecido, afinal a Globo só fala da Hebe quando ela está doente e só falou do Sílvio quando ele foi seqüestrado (pelo seqüestrador da sua filha de algum número).”.
Mas logo percebi o grande engano: eram Dilma Roussef e Michel Temer.


/-\|\||)/-\|_/-\(,)|_|||\/| ANDRÉ

domingo, 11 de julho de 2010

POLÍTICA – ELEIÇÕES 2010 – OPINIÃO

O Brasil é Diversidade

O Brasil é Diversidade! Veja o relevo, é um exemplo relevante: chapadas, colinas, coxilhas, espigões, montanhas, planícies, vales...     
A cara do Brasil é Serra no Planalto!


/-\|\||)/-\|_/-\(,)|_|||\/| ANDRÉ

domingo, 9 de maio de 2010

PRAIA PARAÍSO

Do som dos ventos ao som das ondas

Quando o assunto é praia, a primeira opção para os paraisopolenses é, geralmente, o litoral norte do estado de São Paulo, cujas cidades mais próximas – Caraguatatuba e Ubatuba – estão a cerca de 180 quilômetros de Paraisópolis. Mas isso vai mudar, porque a primeira opção de praia para os paraisopolitanos passará a ser a própria cidade deles, que terá uma praia.
Essa afirmação Paraisópolis terá uma praia. não é mais um boato sem fundamento como os muitos que se espalham por cidades pequenas. Na contramão dos boatos, essa é uma afirmação embasada rigorosamente na ciência. Pesquisadores da renomada Academia de Ciências da União-América estudaram durante uma década a geografia do município e chegaram a essa conclusão.
A equipe de geólogos foi chefiada pelo professor Dantim Breston, um cientista com alta credibilidade internacional, visto que as suas previsões de acontecimentos naturais de impacto, principalmente no ambiente, e que são feitas com base em estudos, têm se concretizado. São dele, por exemplo, as previsões de desaparecimento do Monte Imborzia e de separação da cadeia rochosa Platiçuá, ambos na América Central.
Segundo Breston, Paraisópolis é um caso muito peculiar. São três elementos característicos da cidade que estão juntos numa equação geográfica, tendo como resultado a formação de uma praia de interior. Os elementos são o Pico do Machadão, a represa do Brejo Grande e o vento.
A mais ou menos 1500 metros de altitude, o pico do Machadão está na borda da zona urbana e a represa do Brejo Grande é vizinha deste pico, sendo considerada o lago artificial mais alto do país. Para quem está na cidade, é como se a lagoa estivesse atrás do pico. Já o vento é um morador do município durante todo o ano. Tanto é que um dos nomes da cidade já foi São José da Ventania. E é ele, o vento, o personagem principal desse processo, já que, segundo o professor Dantim, sem ele não haveria a formação dessa praia.
Foram dez anos ininterruptos de estudo, coletando dados como a velocidade do vento no Pico do Machadão e o desgaste da rocha neste mesmo local. Com o passar dos anos, a velocidade do vento tem aumentado, causando, cada vez mais, a degradação da rocha. Mas a erosão do pico não é apenas eólica. Há também outros agentes de degradação, como a chuva ácida e os microorganismos, e ambos também estão numa curva crescente, como a pesquisa comprovou.
A rocha vai se decompondo em minúsculas partículas, que são levadas pelo vento e se depositam, principalmente, nas margens da cidade. Com o vento cada vez mais forte e a rocha cada vez mais fina, o resultado é que a represa, também movimentada pelo vento, está avançando cada vez mais, e avançará até o ponto em que a rocha não será um obstáculo para segurá-la e ela transbordará. Com isso, a cidade terá areia, originária da erosão da rocha que forma o Pico do Machadão, e água, oriunda do derramamento da represa do Brejo Grande, formando um fenômeno inédito, batizado pelos cientistas de Praia Paraíso.

    Vista da paisagem de Paraisópolis já sem o Pico do Machadão.


/-\|\||)/-\|_/-\(,)|_|||\/| ANDRÉ



__________

foto
30 de outubro de 2011
Paraisópolis/MG
© andandaz®


¤